sábado, 6 de maio de 2017

Pacientes recebem alta para liberar corredor de hospital

No mesmo dia em que o Agora revelou que 38 pacientes se amontoavam em macas em um corredor no Hospital Ermelino Matarazzo (zona leste), sob a gestão João Doria (PSDB), uma força-tarefa retirou todos os doentes do local, ontem. Para isso, o hospital liberou leitos nos quartos dando alta a pacientes. Segundo o secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara, a diretoria da unidade conseguiu encontrar pacientes que já estavam em condições de voltar para casa –com isso, os pacientes que estavam no corredor subiram para os quartos. "Nós estamos tentando tirar na medida que puder. E como é que tira? Encontra uma vaga para eles no andar. E como é que encontra uma vaga para eles no andar? Não é apressar, é identificar pacientes que já estão em condição de alta", disse o secretário Wilson Pollara. A Secretaria Municipal da Saúde afirmou que nenhuma alta foi dada sem que houvesse necessidade. Resposta O prefeito João Doria (PSDB) disse que ligou para o secretário Wilson Pollara para exigir a solução para os pacientes internados no corredor. "Eu acompanhei a matéria, imediatamente acionei o secretário e disse para ele que não faz sentido ter pessoas em corredor de hospital público. Já foi resolvido e houve o endereçamento das pessoas no próprio hospital", afirmou o prefeito. Pollara disse que, antes das duas pacientes com diagnóstico de pancreatite aguda, Eliane Pereira e Cintia Souza, entrarem na fila da cirurgia para remoção das pedras, o quadro de inflamação precisa ser tratado. "A pedra na vesícula, quando tem pancreatite aguda, é contraindicado para a operação. Primeiro você tem que desinflamar e depois operar, senão você mata o doente." Ele reiterou que as pacientes não estão aguardando operação. Sobre Eliane Lima, o hospital disse que aguardava se estabilizar para programar a cirurgia, que deve ocorrer semana que vem. Sobre Maria Ferreira, não comentou. A secretaria afirmou, também, que fará uma reforma no hospital ainda neste semestre. FONTE ;Lucilene Oliveira do Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário