domingo, 19 de fevereiro de 2017

GUILHERME ARANTES: "TIAGO IORC SOU EU DA NOVA GERAÇÃO"

Aos 63 anos, Guilherme Arantes comemora quatro décadas de carreira cheio de histórias para contar. O momento é marcado pelo lançamento do box comemorativo Guilherme Arantes – de 1976 a 2016, com 22 álbuns. “Fui uma pessoa normalzinha. Não fui pródigo em escândalos, nem aventuras”. Você completou 40 anos de carreira. Já se incomodou por ser lembrado pelos hits mais populares? O sucesso é igual para todo mundo. O cara fica lembrado pelos hits. O (pintor italiano Leonardo) Da Vinci é associado à Monalisa. Isso é natural e não adianta se irritar. Tenho gratidão. Suas músicas fizeram sucesso em novelas. É verdade que precisou alterar a letra para entrar na trilha de Anjo Mau (1976)? Quando compus “Meu Mundo e Nada Mais”, era adolescente e a letra dizia: “Me atirei no mundo e vi tudo mudar”. Pediram a mudança para caracterizar o personagem do José Wilker. Tentei: “Quando fui traído vi tudo mudar”. Mas optei por: “Quando fui ferido vi tudo mudar”. Ficava mais adequado ao personagem. Escrevi aos 15, 16 anos, quando sofri muito bullying. LEIA MAIS : http://revistaquem.globo.com/Entrevista/noticia/2017/02/guilherme-arantes-tiago-iorc-sou-eu-da-nova-geracao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário