segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Xô, pernilongo! Saiba o que funciona e o que não funciona contra mosquitos

Pernilongo, muriçoca, carapanã, borrachudo. Mudam os nomes, mudam as espécies, só não muda o desejo de se livrar destes pequenos (e incômodos) insetos. Presentes em regiões tropicais e subtropicais de todo o planeta, os pernilongos --do gênero Culex-- diferem-se em ciclo de vida, habitat e anatomia do Aedes aegypti e também dos "borrachudos" (Simulium pertinax). Assim, nem tudo que atrai um seduz o outro: nem tudo que repele um afasta o outro. Em tempos de zika, dengue e chikungunya, transmitido pelo Aedes, nunca é demais ressaltar os cuidados para evitar suas picadas. Receptores diferentes, químicos diversos O que faz uma espécie de inseto ser atraída ou repelida por determinado composto químico depende das antenas de cada inseto. "É na antena dos insetos que se localizam os receptores que vão ditar se aquela espécie de inseto é atraída ou repelida quando entra em contato com algum composto químico", explica o entomologista Rafael Freitas, da Fiocruz. Além da questão anatômica dos insetos, o ciclo de vida e o lugar em que vivem são fatos relevantes para saber com quem estamos lidando. LEIA MATÉRIA COMPLETA : http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2017/01/09/xo-pernilongo-saiba-o-que-funciona-e-o-que-nao-funciona-contra-mosquitos.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário