quarta-feira, 10 de julho de 2013

Em 2 horas, ônibus têm prejuízo de R$ 750 mil com bloqueio de terminais

Em apenas duas horas, o bloqueio de 16 terminais de ônibus em São Paulocausou um prejuízo de cerca de R$ 750 mil às empresas de transporte coletivo, segundo o sindicato da categoria. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss), esse foi o valor que os empresários e a Prefeitura deixaram de ganhar entre 8h e 10h. Por volta das 12h, o protesto organizado por uma chapa de oposição à presidência do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo ainda mantinha o bloqueio aos terminais. Ainda segundo o SPUrbanuss, 400 linhas de ônibus deixaram de circular nesta manhã, afetando 320 mil usuários. Aapesar dos transtornos, a manifestação não interrompia o funcionamento das linhas, já que os ônibus realizavam o embarque e desembarque de passageiros do lado de fora dos terminais. Às 12h, os manifestantes impediam a entrada e a saída de coletivos nos seguintes terminais: - Parque Dom Pedro, no Centro - Santo Amaro, na Zona Sul - Santana, na Zona Norte - Capelinha, na Zona Sul - Campo Limpo, na Zona Sul - Grajaú, na Zona Sul - Varginha, na Zona Sul - João Dias, na Zona Sul - Lapa, na Zona Oeste - Pirituba, na Zona Norte - Cachoeirinha, na Zona Norte - Vila Prudente, na Zona Leste - Casa Verde, na Zona Norte - Mercado, no CentroSegundo o Metrô, que também opera o Terminal Santana, os trens funcionavam normalmente nesta manhã - os bloqueios ocorriam apenas no embarque e desembarque dos ônibus. Segundo a SPTrans, São Paulo tem ao todo 28 terminais municipais e um intermunicipal. O Terminal Sacomã também é afetado, já que os ônibus do Expresso Tiradentes que estão parados no Terminal Mercado, bloqueado pelos manifestantes, não conseguem completar o trajeto. Eleições O bloqueio dos acessos aos terminais acontece na véspera do início da eleição do sindicato, em plena campanha eleitoral - o Sindicato dos Motoristas de São Paulo entra em eleição a partir desta quinta-feira (11). Os manifestantes cobram transparência no processo eleitoral. Segundo Ronaldo Moraes, que faz parte da chapa de oposição que disputa a presidência do sindicato, a comissão eleitoral, imposta pela presidência atual, já entregou três listagens com o número de votantes - a primeira com 22 mil, a segunda com 26 mil e a terceira com 29 mil nomes. Moraes afirma que o sindicato conta com 35 mil contribuintes aptos a votar. Além disso, segundo Moraes, a comissão eleitoral ainda não definiu os horários que as urnas serão levadas para as seções eleitorais nas garagens - as urnas têm que estar nos locais de votação até a meia-noite, segundo ele. "Não queremos prejudicar a população, queremos chamar a atenção para a falta de transparência do processo eleitoral", disse, cobrando transparência. O presidente do Sindicato dos Motoristas de São Paulo, Isao Hosogi, conhecido como Jorginho, afirmou que a chapa de oposição não participou das reuniões que definiram os nomes da comissão eleitoral e que agora tenta cancelar a eleição. Jorginho informou ainda que já estão definidos os horários de saída das urnas. A única indefinição no processo eleitoral, segundo ele, é o local da apuração. O presidente acredita que não há segurança para que a contagem dos votos seja feita na sede do sindicato. Segundo ele, 300 seguranças particulares foram contratados para garantir a segurança das urnas. Jorginho informou que apenas 29 mil motoristas e cobradores estão aptos a votar, já que o estatuto do sindicato prevê que os eleitores devem ter no mínimo seis meses de filiação. Segundo o presidente, a oposição é uma minoria que se formou após ele optar por compor sua chapa à reeleição apenas com nomes "ficha limpa". Em 2010, a Polícia Civil prendeu sindicalistas investigados por envolvimento na morte de membros do Sindicato dos Motoristas. O secretário dos Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, criticou o bloqueio dos terminais. "Um absurdo você parar um terminal, uma linha de ônibus em função de uma disputa sindical", disse à Rádio CBN. No dia 2 deste mês, os apoiadores da chapa de oposição à presidência do Sindicato dos Motoristas de São Paulo bloquearam três terminais de ônibus e fizeram um protesto até a Câmara Municipal. Ele chegaram a paralisar a operação no Terminal Dom Pedro durante a manhã e bloquearam alguns acessos dos terminais Bandeira e Mercado. - Princesa Isabel, no Centro - Jabaquara, na Zona Sul FONTE : KLEBER THOMAZ G1/SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário