quarta-feira, 23 de julho de 2014

Oi é multada em R$ 3,5 milhões por monitorar clientes na internet Ministério da Justiça afirma que operadora violou direitos dos consumidores. Segundo a pasta, empresa vendeu perfil de comportamento na internet.

A Oi foi multada pelo Ministério da Justiça em R$ 3,5 milhões por ter infringido normas de defesa do consumidor ao monitorar o comportamento de clientes na internet e vender essas informações a anunciantes, agências de publicidade e portais na web. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (23) no “Diário Oficial da União”. As investigações da conduta da operada foram feitas pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) da Secretaria Nacional do Consumidor, vinculada ao MJ. A pasta constatou que o Velox, serviço de banda larga da Oi, violou os direitos de informação e de privacidade do consumidor, além fazer publicidade enganosa. A apuração começou após o DPDC ter sido foi informado que a Oi fez uma parceria com a Phorm, que criou o software Navegador. O programa é usado rastrear os passos do consumidor na internet. A Oi afirma que não usa a ferramenta desde março de 2013, quando encerrou o teste do produto junto "a um grupo de clientes convidados". A empresa informa ainda ter "convicção de que não houve qualquer infração ao direito do consumidor" e deve recorrer. O DPDC informa que os dados dos clientes são utilizados para compor um perfil detalhado de cada cliente. Esses dossiês são vendidos a outras empresas que queiram enviar anúncios a essas pessoas com base na forma como agem na rede. LEIA MAIS ; http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/07/oi-e-multada-em-r-35-milhoes-por-monitorar-clientes-na-internet.html

Morre no Recife, aos 87 anos, o escritor Ariano Suassuna Ele sofreu um AVC na noite de segunda-feira e passou por cirurgia. Nascido na Paraíba, ele vivia no Recife desde 1942.

Morreu no Recife, nesta quarta-feira (23), o escritor, dramaturgo e poeta paraibano Ariano Suassuna, aos 87 anos. Ele estava internado desde a noite de segunda (21) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Português, onde foi submetido a uma cirurgia na mesma noite após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) do tipo hemorrágico. A cirurgia durou aproximadamente uma hora e ele havia passado a noite bem, sendo transferido para a UTI neurológica. A operação foi feita para a colocação de dois drenos que controlariam a pressão intracraniana. Na noite de terça-feira (22), o quadro dele se agravou, devido a "queda da pressão arterial e pressão intracraniana muito elevada", conforme foi informado em boletim. Em 2013, Ariano foi internado duas vezes. A primeira delas em 21 de agosto, quando sentiu-se mal após sofrer um infarto agudo do miocárdio de pequenas proporções, de acordo com os médicos, e ficou internado na unidade coronária, mas depois foi transferido para um apartamento no hospital. Recebeu alta após seis dias, com recomendação de repouso e nenhuma visita. Dias depois, um aneurisma cerebral o levou de volta ao hospital. Uma arteriografia foi feita para tratamento e ele saiu da UTI para um apartamento do hospital, de onde recebeu alta seis dias depois da internação, no dia 4 de setembro. LEIA MAIS ; http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2014/07/morre-no-recife-aos-87-anos-o-escritor-ariano-suassuna.html

domingo, 20 de julho de 2014

ATOR JONAS TORRES VOLTA A TV GLOBO APÓS 23 ANOS

Ator Jonas Torres celebra volta à TV Famoso por ter vivido Bacana na série "Armação Ilimitada" (1985-1988), o ator Jonas Torres, 39 anos, está de volta na trama de "Império", que estreia hoje na Globo. Ele falou à Olá sobre o retorno à TV depois de 23 anos. Olá - Está ansioso? Jonas - Estou muito contente. Sempre dá um friozionho na barriga, mas como estou bem amparado por profissionais, tenho certeza de que será uma ótima experiência. Olá - Como surgiu o retorno? Jonas - Eu nunca deixei de atuar, mas decidi voltar de forma assídua. Entrei em contato com profissionais com quem trabalhei, e a coisa aconteceu naturalmente. Olá - Fale um pouco sobre seu papel em "Império"? Jonas - Ele se chama Ismael e é um catador de lixo, que vive do que acha nas ruas. Nem sempre temo que precisa e, às vezes, acaba sendo um pouco oportunista, mas no fundo ele é do bem. Ele é casado com Lorraine, vivida pela Dani Barros. Olá - Acha que esse trabalho pode desvencilhar sua imagem do Bacana? Jonas - Cada trabalho é diferente. Acredito que "Império" vai adicionar mais um personagem para a lembrança que as pessoas têm de mim, mas o Bacana será sempre relembrado com muito carinho. FONTE : CAMILA GOMES

Um ano depois, faixas de ônibus ainda são invadidas

A invasão de veículos ainda é o problema mais comum encontrado nas faixas exclusivas de ônibus, um ano após o início da sua implantação. EQUIPE DE REPORTAGEM DO JORNAL AGORA PERCORREU 12 faixas exclusivas em todas as regiões de São Paulo na segunda e terça-feira da semana passada: nove em seu horário de funcionamento e três fora dele - nessas foram observados asfalto e sinalização. A reportagem também encontrou falhas na sinalização e trechos com buracos e remendos. As faixas exclusivas ficam do lado direito da via e podem ou não funcionar em horário integral. Apenas ônibus e táxis com passageiros podem trafegar pela pista. Atualmente, há 341,8 km de faixas exclusivas na capital. A funcionária pública Estela Rocha, 64 anos, utiliza o corredor da rua Cardeal Arcoverde uma vez por mês para pagar as contas no banco. Ela diz que o tráfego está mais rápido, mas falta fiscalização. "Só gasto trinta minutos para chegar aqui. Antes demorava uma hora. Mas a invasão dos carros é constante e atrapalha os ônibus", diz. Resposta A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou, por meio de nota, que de janeiro a junho de 2014 foram aplicadas 383.093 multas aos veículos que invadiram as faixas exclusivas para ônibus. No mesmo período do ano passado, foram feitas 78.446 autuações. A multa para o motorista que comete a infração é de R$ 53,20 mais a perda de três pontos na carteira. A companhia informou ainda que as vias analisadas pela reportagem são fiscalizadas por marronzinhos que ficam em pontos fixos e que elas têm radares eletrônicos. A CET disse que vai vistoriar as placas na avenida Aricanduva (zona leste) e que, se necessário, deverá elaborar projetos de manutenção ou troca da sinalização em toda a via. Sobre os galhos que encobrem placa na avenida Ipiranga (centro), a empresa disse que solicitou a poda à subprefeitura da região. A Prefeitura de São Paulo informou também que parte das vias percorridas pela reportagem passou por recapeamento recentemente, mas que, mesmo assim, deve vistoriar esses pontos para identificar se há necessidade de recomposição do pavimento. A prefeitura disse que vai tapar buracos nas faixas e que o viaduto Nove de Julho passará por vistoria nesta semana. FONTE : Mari Cavalcante do Agora

CRM diz que vai apurar omissão de socorro em hospital na Zona Leste Homem morreu após ter atendimento recusado no Hospital Santo Expedito. Para vice-presidente do Conselho Regional de Medicina, caso é inaceitável

Mauro Aranha de Lima, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM), viu as imagens do vídeo em que o vigia Nelson França aparece pedindo socorro em frente ao Hospital Santo Expedito, em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Ele explicou que em situações de urgência o atendimento tem que ser imediato mesmo se o hospital for particular e o paciente não tiver convênio. “Não se pode aceitar que uma pessoa agonizando no chão da rua não tenha acesso imediato ao hospital. Nós vamos apurar severamente o acontecido nesse dia com essa pessoa que acabou por falecer”, defendeu Lima. A polícia disse que está aguardando o laudo do Instituto Médico Legal (IML) e abriu uma investigação para saber se houve omissão de socorro. Uma mulher estava com a mãe no hospital e falou que dois enfermeiros tentaram ajudar o vigia, mas foram impedidos por outro enfermeiro. “Até o rapaz falou assim: É aqui só atende particular e quem tem convênio”, recorda. Testemunhas contam que o Nelson ficou mais ou menos uma hora agonizando aqui na entrada do hospital até que os bombeiros chegassem. Só que quando eles chegaram, Nelson não foi socorrido aqui nesse hospital. Ele foi colocado numa ambulância e levado pra um hospital municipal que fica a três quilômetros daqui. Nelson França tinha quarenta oito anos e morava em Cidade Tiradentes na Zona Leste. Ele era vigia de uma lanchonete e ganhava trinta reais por noite. "porque um pai de família ser morto, ser tratado como um verme, um lixo na porta do hospital, sem eles prestarem os primeiros atendimentos, a gente está muito triste mesmo”, afirma Roseli Ribeiro Santos de Souza, cunhada da vítima. FONTE : G1 SP